quarta-feira, 15 de abril de 2009

A educação na época do ex-ministro Paulo Renato

.

Discurso do deputado Paulo Renato, "o ético":

"A banalização da esperteza, do compadrio, do loteamento político é assustadora nos últimos anos. Os episódios se repetem envolvendo desde o aparelhamento do Estado até o uso desassombrado do poder de polícia para intimidar e constranger adversários políticos".

Entederam! "O loteamento político é assutador nos ÚLTIMOS ANOS..."

Quando este elemento foi ministro da educação não realizou NENHUM CONCURSO PÚBLICO para professores de escolas técnicas.

Você pode perguntar: e o que acontecia quando um professor pedia demissão, aposentava ou morria?

A resposta é simples: ou ficava sem professor ou CONTRATAVA ALGUM CABO ELEITORAL PARA DAR AULA (OU ALGUM "PROFESSOR" INDICADO POR POLÍTICO).

Ele, Paulo Renato, sucateou as escolas técnicas e deixou um rastro de loteamento político destas escolas como só acontecia na época da ditadura. Nem o governo Sarney ousou fazer o que eles fizeram.

Havia a certeza da impunidade. O ministério público federal estava amordaçado por uma chefia que era chamada de "engavetador geral da nação". A imprensa conservadora estava preocupada com os seus próprios e bons negócios, o que incluía a proteção a quem é "amigo". A FHC, o Serra, o Alckmin, o Aécio e o Paulo Renato são "amigos", portanto devem ser protegidos da verdade.

Outro dia a Miriam Leitão disse que o governo FHC diminuiu em 100 mil o número de funcionários públicos. Falou maravilhas da gestão FHC. Só não disse em quais setores ele diminuiu e de que forma. Ruim, segundo ela, é o Lula que aumentou o número de funcionários públicos.

Este é o discurso conservador. É o discurso da grande aliança conservadora.

Uma parcela signifcativa (dezenas de milhares de cargos) desta redução de funcionários do governo FHC deveu-se a NÃO contratação de professores e técnicos para as escolas técnicas e universidades.

Isto mesmo: o que a Miriam Leitão louva são adolescentes sem aula por falta de professores. Ou adolescentes tendo aulas com "professores" cabo eleitorais; pois como são contratados, NÃO entram no computo geral do número de funcionários públicos.

Tomem muito cuidado! Pessoas anti-éticas como esta senhora e a empresa para a qual trabalha costumam tentar enganar e dominar a mente das pessoas.

Pela lógia dela o atual ministro da educação, Ferando Haddad é péssimo, pois está inchando a máquina pública.

O pecado: fazer concurso público para preenchimento de vagas de profesores.

Pecado maior: criar dezenas de novas escolas técnicas e novas universidades, com milhares de novas vagas de professores e de gente de apoio.

Consequência de tamanha ousadia: aumentar o número de funcionários públicos e aumentar os gastos de custeio.

Meus amigos: manter uma escola funcionando, com professores qualificados, material didáticos, laboratórios equipados, etc, é caro e é um ENORME GASTO DE CUSTEIO.

Por isto, a imprensa conservadora louva o governo FHC (que diminuiu o número de funcionários públicos - agora você sabe a que preço). Por isto, a imprensa detona o atual governo do Brasil que teve a petulância de contratar por concurso público mais de 50 mil professores, técnicos e pessoal de apoio para as escolas e universidades.

Com o concurso público foram para a rua muitos milhares de cabos eleitorais do PSDB/DEM/PPS/PMDB que estavam empregados como professores. Você consegue imaginar uma forma pior de loteamento político?

Este é a forma de agir do Paulo Renato, ex-minstro da educação e atual secretário da educação de São Paulo.

Leia também:

Economizando com a NÃO educação


Governo "bão" é governo pão duro


Investimento, cuidado com os números


Educação: saiba como os conservadores lidam com ela


Sai pela porta dos fundos a secretária de educação de São Paulo


PS: agradeço às pessoas que me mandaram emails e me ajudaram a redigir este texto.



.

7 comentários:

ANA CLÉCIA SA NTOS disse...

Perfeito esse seu comentario, não tinha observado esse lado FHC, de administrar.

CrápulaMor disse...

Parabéns, Chicão. Seu blog é ótimo! Outra análise lúcida e objetiva das diferenças entre este governo e o anterior. É lugar comum dizer que PT e PSDB viraram "a mesma coisa", que esquerda e direita é uma oposição que se esgotou. Há muitas diferenças! Diferenças fundamentais, que dizem respeito à própria visão, gestão e constituição do Estado. A Educação é exemplo preciso, como você bem demonstra.

Thaís Maria Sperandio disse...

Olá Chicão;
Muito bom seu blog. Gostei dos seus textos sobre a educação. Vou visitar sempre.

Anônimo disse...

Essas pessoas que estão decidindo tudo no caso, afirmo, têm pensado em muita coisa, menos em vocês. Esqueça essa história de que jovens da rede pública possuem má formação. Existem muitos bons e nem tanto assim e de ambos os lados. Vou provar que educando da rede pública tem tudo que precisa para fazer curso superior, com dois fatos:

1) Estudo científico da Unicamp, http://revistapesquisa.fapesp.br/?art=3502&bd= 1\&pg=1&lg=, acesso abril/09, realizado por Renato Pedrosa, prova que os ingressantes através do seu cotismo, pomposamente designado de ¨Ação Afirmativa¨, não apresentam desempenho acadêmico pior. Havendo até casos significativos em que são melhores. A mesma conclusão chegou todos os estudos de casos em que adotaram algum processo deste tipo. Mais ainda. Alguns indicadores apontam a Unicamp como nossa líder no cenário internacional. Portanto, capacidade dos estudantes da rede pública de fazer qualquer curso de qualquer universidade, no mundo até, há. O mesmo vale para todo estudante brasileiro.

2) o Programa do MEC/MCT, olimpíada brasileira de matemática das escolas pública - OBMEP, matéria tida por bicho papão do estudante nacional, apresenta no endereço http://www.obmep.org.br/picme.html, o Programa de Iniciação Científica e Mestrado – PICME, que engloba 30 mestrados em matemática pelo Brasil todo. Leia. Por este, os jovens das escolas públicas classificados, com não mais do que um ano de treinamento quase todo online e que ingressaram em qualquer curso superior, podem fazer simultaneamente um curso de mestrado em matemática. Sendo o mestrado com duração de 2 anos e graduação, no mínimo, em 4 anos, muitos terminarão mestrado antes até da graduação. E, até pela quantidade de professores e universidades públicas que avalizaram tal programa, além de ser financiado pela Capes/CNPq/MEC/MCT, o fato expressa fé pública de que há educando da rede pública em condições para compensar tal investimento de recursos públicos e torná-lo mais do que um programa de sucesso. Assim sendo, facilmente o mesmo é viável para qualquer outra área. Portanto, uma vez sem possível mestrado em matemática com graduação concomitante, apenas graduação é uma coisa simplória.

A não ser que o MEC venha defender que tudo exposto é falso, portanto, significa demitir alguns e processar todos. Permanecendo verdadeiro, que o MEC tome as mesmas providências que estão tomadas via OBMEP para todos os cursos.
E, o urgentíssimo é lutar para que MEC providencie:

1) Que todo candidato, pagante ou isento no vestibular nacional, seja isento de toda e qualquer taxa em qualquer pública, caso essa não aceite só o nacional como condição única.

2) Que o MEC, ao invés de repassar recursos (começa com R$ 200 milhões) para universidades que aderirem ao vestibular nacional, crie com esse, e outras fontes, um fundo governamental, porquanto, através de um acordo com todas as correntes políticas do país – assuma, jovem!, o compromisso de não votar e convencer todo amigo de fazer o mesmo, em partido que for contra -, para construção de moradia estudantil e restaurante universitário. Isso para que num prazo máximo de 5 anos seja garantido, tal qual primeiro mundo, que todo que for fazer curso fora do seu estado, junto com o aceite, receba a chave do seu quartinho. Pois, uma Nação começa ficar tranqüila quando papai e mamãe pode dormir sabendo que filhote não tem por que ficar ao relento e com fome. Assim como, garantido isso, filhote pouco tem medo de meter a cara nos livros, estudar e ir cursar o que for e onde for. Saudade dos quitutes da mamãe... há férias para matar isso.

maria Teresinha Cirilo dos Santos disse...

O governdor Serra esta pensando que com essa deliberação 82/2009 ele ganhara algum voto de alunos está muito enganado vamos fazer uma frente de repúdio contra a menor´possibilidade dele se eleger presidente essa deliberação é totalmente contra a esducação de juvens e adultos é a coisa mais estúpida que já vi, embora tal atitude vindo do Serra já é de se esperar. sendo um goverador de São Paulo como ele é não posso nem imaginar como será na presidencia da República. Maria Teresiha

Anônimo disse...

VAMOS DIZER NÃO AO SERRA QUALQUER QUE QUIZER MEU VOTO EU DAREI COM IMENSO PRAZER. POIS IA VOTAR NULO, MAS SÓ PRO SERRA NÃO GANHAR EU VOU VOTAR ATÉ NO POPAY, VAMOS ADERIR A ESSA CORRENTE ANTI-SERRA ELE QUER ACABAR COM A EDUCAÇÃO NO VALE DO PARAIBA TERRA DE MONTEIRO LOBATO
SOCORRO ME AJUDEM POR FAVOR
MARIA TERESINHA

M.Pinto Basto disse...

Torna-se muito necessário acabar de uma vez por todas com políticos profissionais que exercem a politicalha, praticando autêntica roubalheira de valores morais e materias em proveito próprio. Estamos fartos de Sarney, FHC, Serra e muitos outros que afinam pelo diapasão da corrupção, prejudicando muito o bem estar social da Nação!