domingo, 28 de setembro de 2008

Poesia: O sentido da vida

.


"Não sei...

se a vida é curta ou longa demais pra nós,

mas sei que nada do que vivemos tem sentido,

se não tocamos o coração das pessoas.

Muitas vezes basta ser:

colo que acolhe,

braço que envolve,

palavra que conforta,

silêncio que respeita,

alegria que contagia,

lágrima que corre,

olhar que acaricia,

desejo que sacia,

amor que promove.

E isso não é coisa de outro mundo,

é o que dá sentido à vida.

É o que faz com que ela não

seja nem curta, nem longa demais,

mas que seja intensa,

verdadeira,

pura...

enquanto durar....“

(Cora Coralina)


Nota do Chicão:

Eu sempre adorei a poesia da Cora Coralina.

Uma vez fui até uma cidadezinha do interior de Goiás, onde ela vivia, só para conhecer o museu em homenagem a ela.

O museu é na casa dela. Uma casa construída na beira do rio.

Eu olhei pela a janela, o rio passava junto à janela, e pensei: que coisa linda!

Eu imaginei quantas vezes ela deve ter descansado do trabalho do dia-a-dia olhando aquela paisagem.

Eu imeginei quanto da bondade de sua poesia não foi iluminada por aquele modo simples de olhar a natureza e viver.

Então eu pensei em mim, na minha vida. Porque ela era tão distante daquele tipo de vida que eu considerava tão bom?

Aos poucos eu fui mundando as minhas escolhas. Aos poucos eu fui mudando a minha forma de viver e os meus desejos.

E, descobri que eu podia deixar muita coisa de lado. E, descobri que poderia centrar esforços no que era essencial.

Essencial, mas não para uma vida materialista. Mas, para uma vida que se pode levar para o plano espiritual.

Minha vida ficou mais verdadeira e mais intensa, como diz o poema.

Hoje, lendo esta poesia, me toquei que estou mais perto da Cora Coralina.

Grande mulher!


.

2 comentários:

NBRAGASA disse...

Olá Chicão
Fiquei emocionada!!!
Ao abrir a internet num dia de domingo cinzento e frio como hoje e ver essa doçura de poema, da autoria de uma também doce mulher, não há coração que resista...
É verdade, não tem sentido se não tocar o coração...
Você e o clima hoje passaram dos limites...
Aquele abraço.

Anônimo disse...

Conhecí Cora Coralina ainda adolecente, qdo morador de Brasília. Desde entao, só cresceram meu admirar e respeitar, tanto a obra como a maravilhosa sra. Ela era como vc visualizou, e mais. Ela era d. Coralina, tia Cora prá mim, ainda menino.
Inté
Murilo