segunda-feira, 16 de março de 2009

A irresponsabilidade fiscal do Serra e do Kassab

.

A imprensa conservadora não se cansa de dizer que o governo de São Paulo está com as contas em dia. Ela mente descaradamente pois a maior parte dos leitores destes jornais e revistas estão com a cabeça feita. Ou seja, abriram mão de raciocinar.

Aqui no blog do Chicão você ficou sabendo muitos meses atrás que a dívida acumulada do calote dos precatórios no estado de São Paulo era de muitos BILHÕES (Serra contra a Lei de Responsabilidade Fiscal). Agora a situação está tão preta que até a justiça amiga do PSDB está começando a acordar. É justo uma professora aposentada de 75 anos não receber uma dívida do governo do estado porque o Serra e o Alckmin não querem pagar?

Os precatórios são dívidas que a justiça reconheceu e manda os governos pagarem. No Brasil, muitos dos governantes dão uma "banana" para a decisão da justiça. Os maiores caloteiros são o governador Serra e o ex-governador Alckmin (Calote de Serra bloqueia parcelas da venda da Nossa Caixa ).

Se pagarem os precatórios cai a capacidade de investimento do estado. Enquanto não são pagos, os precatórios geram juro sobre juro e ficam cada vez mais caros.

Quem paga o preço desta sede de poder? Nós, cidadãos do estado de SP.

A irresponsabilidade do Serra atua também sobre os limites de endividamento do governo do estado. Na surdina tenta mudar regras e normas.

Na surdina o governador luta contra as novas regras de remuneração dos professores, aprovadas pelo congresso e sancionada pelo presidente.

Na surdina ele tenta criar mais e mais dívida. Na verdade são vários governantes que querem fazer isto ( Estados querem renegociar dívidas com governo ). O Serra é um líder informal e está usando este fato para arregimentar "colegas" para sua campanha.

Por fim, vamos falar da prefeitura de SP:

A Marta assumiu da gestão Maluf/Pita uma cidade quebrada. O que o Maluf fez: economizou durante 3 anos e no último ano torrou todo o dinheiro. Elegeu seu sucessor (o Pita), principalmente com os votos anti-petistas.

A Marta assumiu o caos e colocou as contas em ordem. Pagou uma infinidade de contas do Pita, renegociou contratos e começou a investir.

O Serra entrou e fez uma campanha enorme contra a Marta. Dizia que ela havia deixado a cidade quebrada. MENTIRA! Com a ajuda da imprensa conservadora, o Serra covardemente investiu contra ela.

Hoje, o TCM deu razão para a Marta. O STF deu razão para a Marta. Mas a mentira pegou.

No início do governo Serra ele propôs realizar uma auditoria nas contas da prefeitura para tirar dúvidas se ela estava quebrada ou não. QUANDO O PT TOPOU ELE MUDOU DE ASSUNTO. Foi assim que a campanha acabou.

Agora aparece a verdade. Além da Marta ter deixado as contas em ordem, ela deixou um SUPERAVIT.

O que aconteceu com a prefeitura desde de então?

Leia abaixo:

Cadê a responsabilidade fiscal tucano-pefelista?

E agora José? E agora Gilberto? José Serra e Gilberto Kassab, cadê a responsabilidade fiscal tão cantada em prosa e verso pelos tucanos-pefelistas? A dívida da capital paulista com a União chegou aos R$ 42 bi e fere o teto da lei fiscal. E sua equivalência dívida-receita, que registrava reduções graduais, explodiu no final do ano passado.

Reportagem-levantamento publicada pela Folha de S.Paulo, com base no mais recente balanço da gestão Kassab, mostra que ao alcançar esses R$ 42,4 bilhões em dezembro pp, a dívida paulistana tornou-se 2,03 vezes maior que a arrecadação anual da prefeitura com impostos.

Resultado: ficou fora dos padrões da Lei de Responsabilidade Fiscal e da resolução do Senado que determina sua redução gradativa até 2016. Por isso, adverte a reportagem do Folhão, se a Capital não diminuir o índice para 1,2 até 2016 poderá ter os repasses que recebe bloqueados pela União...

Quando o governador Serra (PSDB) assumiu como prefeito a 1º de janeiro de 2005, a dívida era de R$ 30,6 bilhões ... a relação dívida/receita caia gradualmente por causa de bons resultados na arrecadação de impostos, mas esta no ano passado não alcançou o previsto.

Cofre esvaziou durante a campanha

Mas há outros fatores que contribuiram para a má performance dentre os quais: o IGP-DI, índice que corrige a dívida, influenciado pela alta do dólar superou os 9%; e na disputa pela reeleição no ano passado, o prefeito queimou parte do dinheiro depositado nos cofres municipais.

Entre 2005 e início de 2008, as administrações Serra (1,4 mês) e Kassab (dois anos seguintes) mantiveram mais dinheiro em caixa, o que equilibrava melhor a relação dívida/receita. Em abril do ano passado a prefeitura tinha R$ 5 bi em caixa, mas passada a campanha e a reeleição de Kassab, chegou a dezembro com com R$ 2,8 bi (OBSERVEM QUE USARAM A MESMA ESTRATÉGIA DO MALUF - OBRAS DE PONTES E VIADUTOS E GASTOS NO ANO ELEITORAL).

... o vereador Antônio Donato (PT), da comissão de finanças da Câmara Municpal faz um diagnóstico perfeito à FSP e que assino embaixo: "Por três anos eles mantiveram o caixa alto, mas, na eleição, gastaram o dinheiro, mostrando que tudo era uma maquiagem, e não uma política para amenizar o problema da dívida."

O "eles" a quem se refereo vereador é, claro, o prefeito Kassab (DEM) e o governador Serra, porque este, você se lembra, apesar de ter ficado apenas 1,4 mês como prefeito da Capital, largando-a para disputar o governo do Estado, deixou e ocupa até hoje com sua gente (tucanos e assessores de confiança) cerca de 80% dos cargos de importância da máquina da prefeitura.

(OBSERVEM BEM: AO INVÉS DE PAGAR A DÍVIDA FICARAM COM O DINHEIRO EM CAIXA, FAZENDO PROPAGANDA DA PRÓPRIA "COMPETÊNCIA", COMO SE FOSSEM "SANTOS MILAGREIROS".

QUE A POPULAÇÃO APRENDA: DÍVIDA SÓ É PAGA QUANDO O DINHEIRO SAI DO "BOLSO" DO GOVERNO E VAI PARA O BOLSO DE QUEM TEM DIREITO.

E SE A DÍVIDA NÃO FOR PAGA O CONTRIBUINTE PAGA MUITO MAIS).



.

Um comentário:

Humberto Capellari disse...

CHICÃO: VALEU, MEU VELHO! Gostei e copíei.