quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

A estratégia do Estadão contra o PT

.

Durante a campanha eleitoral o Alckmin disse: “ o problema não é o Lula, é o PT”.

Esta é a máxima que está sendo seguida pela imprensa conservadora brasileira.

Eles observaram que deveriam diminuir os ataques diretos ao Lula e aumentar os ataques contra todo e qualquer membro do Partido dos trabalhadores. Pode ser mentira, enganação, enrolação... Vale tudo. Tudo mesmo.

A ORDEM É APROVEITAR QUALQUER OPORTUNIDADE PARA NEGATIVIZAR O PT.

Vou dar dois exemplos:

Em dezembro/2008 descobriram que algumas empresas estavam armando esquemas para fraudar licitações na área da saúde. Elas conseguiram contratos com dezenas de municípios do estado de São Paulo e com o governo do estado de São Paulo.

Observe bem: conseguiram contratos com DEZENAS de municípios do estado de São Paulo e com o governo do estado de São Paulo.

Na reportagem do jornal O Estado de São Paulo é citada apenas UMA cidade de SP: São Carlos. O jornal deixa claro que é administrada pelo PT.

Os verdadeiros apedeutas, que pagam para ler este jornal, devem ter pensado: “o PT está em todas”.

Dias depois, em uma notinha, aparece a verdade: São Carlos NUNCA teve qualquer contrato com as empresas em investigação.

Os apedeutas nem devem ter notado o esclarecimento. Nem devem ter se indagado sobre que prefeituras são estas (dezenas) que o jornal FAZ QUESTÃO DE ESCONDER. Acho que devem ser prefeituras do PSDB e do DEM... Nenhum jornal conservador teve coragem de colocar a lista em público.

A estratégia do jornal foi cumprida a risca. Negativizar o PT de qualquer forma.

Outro bom exemplo é sobre o escândalo Serra/Kassab da merenda escolar. Em 2006 e 2007(gestão Serra e Kassab) houve um esquema de merenda PP(pouco e podre) e merenda super-faturada, segundo o ministério público.

Diz o jornal: “O Ministério Público Estadual (MPE) investiga um suposto cartel - conluio entre empresas do mesmo ramo para eliminar a concorrência - envolvendo ao menos dez fornecedores de merenda para a rede pública (municipal) de educação de São Paulo e de pelo menos outros 13 municípios do Estado”.

Mais uma vez não aparecem o nome das prefeituras.

O jornal continua: “Além disso, o Conselho de Alimentação Escolar descobriu, em inspeções feitas entre 2006 e 2007, que em várias escolas e creches o armazenamento dos produtos da merenda era precário, sendo que alguns alimentos já estavam fora do prazo de validade e, outros, em estado de DECOMPOSIÇÃO. A divisão de merenda também era malfeita e, algumas vezes, uma salsicha chegava a ser divida para três crianças”.

A notícia do jornal é incrível. O nome do Kassab não aparece e muito menos o do José Serra. Nada disso, o nome que aparece é... o da Marta Suplicy. Incrível!!!

Os apedeutas que pagam para ler este jornal devem pensar: “que Marta horrível! Ainda bem que o Serra salvou SP”.

Leia o que diz o jornal: “Uma das constatações foi a de que a terceirização do serviço, feita gradativamente desde 2001, ainda na gestão Marta Suplicy (PT), era desvantajosa para a Prefeitura. O gasto, segundo a Fipe, era 3,6 vezes superior ao da administração direta – quando o Município comprava os produtos e ele próprio preparava as merendas”.

O único nome que aparece é o da Marta, do PT. Não aparece o nome do Serra e nem o nome do Kassab. Também não aparecem os nomes das 13 prefeituras.

Vamos à verdade: a merenda escolar na época da Marta era de boa qualidade. E o gasto 3,6 vezes maior se refere a gestão Serra/kassab.

O secretário investigado, Januário Montone, é unha e carne com o Serra.

Mesmo em um escândalo do Serra/Kassab o jornal trata de meter o nome de um membro do PT no meio.

Tudo para induzir a mente condicionada dos apedeutas que pagam para ler o jornal que o problema é o PT.

Leia também:

Kassab: maldade na merenda escolar


Conservadores como Kassab detonam a educação





.

Um comentário:

GEOGRAFIA NO VESTIBULAR disse...

Parabéns pelo BLOG...estarei sempre voltando
quando tiver um tempinho faça uma visita ao meu geografianovest.blogspot.com
um grande abraço